afv, international awareness campaign on the deforestation of the Amazon
Logo AFV (fond blanc).png

HISTÓRIA E MARCOS

afv_milestones_background_clean.jpg

AÇÕES E MARCOS

1989.png

Primeiro encontro do Cacique Raoni com Jean-Pierre Dutilleux, um belga de 22 anos, durante as filmagens de seu primeiro documentário Índios no Xingu.

Um encontro no Xingu é organizado entre Raoni e Red Crow, duas das maiores lideranças indígenas da América. Uma nova aliança nasce.

raoni_redcrow.jpg

Uma nova abertura do filme Raoni é filmada em Washington, com Marlon Brando mostrando 3.000 indígenas norte-americanos protestando contra o governo dos Estados Unidos. Brando também narra a versão em inglês do filme.

 

Raoni é indicado ao Oscar em 1978, a primeira indicação de um filme brasileiro. O filme é lançado no Brasil e o cacique Raoni aparece nas primeiras páginas de grandes

Jornais brasileiros.

 

O cacique Raoni inicia sua longa batalha para proteger os indígenas e sua floresta tropical.

Dutilleux identifica os limites do imenso território Kayapó que Raoni quer proteger.

O filme Raoni é selecionado em Cannes. Durante uma coletiva de imprensa para o filme, Peter Ustinov, famoso ator inglês, alerta o mundo sobre o desaparecimento de centenas de etnias indígenas e a destruição sistemática das florestas tropicais.

Jean-Pierre Dutilleux organiza um evento beneficente ao lado da Survival International, com a abertura do filme INDIANS em Londres. Foram arrecadados fundos para os Villas-Bôas financiarem uma campanha de vacinação no Parque Nacional do Xingu.

A segunda campanha internacional de conscientização e arrecadação de fundos percorre 6 países europeus. A AFV organiza um encontro entre Raoni e o presidente da França, Jacques Chirac, para discutir a preservação da floresta amazônica.

O Presidente Jacques Chirac financiou um estudo de viabilidade para a criação do Instituto Xingu, imaginado por Jean-Pierre Dutilleux, tendo em conta as necessidades analisadas no território.

2000.png

Jean Pierre Dutilleux retorna ao Xingu e dirige um filme 35MM sobre Raoni com a participação de Claudio Villas-Bôas.

Com o envolvimento do presidente Sarney após suas famosas palavras, “Se o mundo quer salvar a Amazônia, o mundo tem que pagar por isso” , Raoni consegue um passaporte das autoridades brasileiras para viajar pelo mundo com Sting e Jean-Pierre. Bernard Laine, um jornalista francês, obtém o apoio da Television Française 1 (TF1), o canal de TV francês mais antigo e assistido.

Jean Pierre Dutilleux e Bernard Laine fundam a AFV em 9 de março de 1989 e planejam a primeira campanha internacional de conscientização e arrecadação de fundos para a floresta amazônica.

 

Raoni encontra o presidente francês François Mitterrand, o Papa João Paulo II, o Príncipe Charles, o rei Carlos da Espanha, o Primeiro-Ministro da Austrália e representantes do governo de 17 países.

Os recursos são arrecadados para a demarcação da nova reserva do Xingu.

Terceira campanha internacional de sensibilização e arrecadação de fundos, com reuniões por toda a Europa.

Entrega do estudo de viabilidade do Instituto do Xingu no início de Setembro de 2001, concebido pelo arquitecto Jean-Christophe Dubois e orçamentado pelo Embaixador Eric Danon.

 

Infelizmente, devido aos ataques do 11 de Setembro em Nova Iorque, a comunidade internacional perdeu o interesse na Amazónia e o projeto foi arquivado. No entanto, Raoni seguiu a ideia de Jean-Pierre e abriu um pequeno instituto na cidade de Colider, a 200km do território indígena. Ele ainda existe hoje.

É lançada a quarta campanha internacional de conscientização sobre a proteção das florestas. É publicado o livro de Jean Pierre Dutilleux “Raoni, as memórias de um chefe índio”, com prefácio do presidente Jacques Chirac. Raoni conhece o Príncipe Albert II de Mônaco e outras celebridades.

book.jpg

Raoni é nomeado Cidadão Honorário na Câmara Municipal de Paris pelo Presidente da Câmara Bernard Delanoë. Também volta a visitar a Europa para angariar fundos para a proteção dos territórios Kayapo sitiados por madeireiros ilegais, garimpeiros de ouro e criadores de gado.

Raoni manifesta a sua preocupação por todos os povos indígenas da Amazónia e adverte o mundo sobre as consequências da destruição da Amazónia.

19677_poster.jpg
afv_map_c1.png
raoni_jean.jpg
Sans titre.png

O Presidente brasileiro Itamar Franco assina o decreto oficial para proteger todos os territórios Kayapós.

afv_gallery_05.jpg
afv_gallery_03.jpg
2011 Delanoë.jpeg
2011.png

Em parceria com a AFV, a Associação Florestal Mikea construiu uma escola que permite às crianças Mikea da aldeia de Bedo (Madagáscar) receberem educação, um direito universal fundamental.

Mikea3_edited.jpg
une-ecole-pour-les-mikea.jpg
2001.png
2010.png
2016_1.png
1993.png
2019.png

Em maio, aconteceu a sexta campanha com Raoni e o Cacique Tapi, seu herdeiro espiritual. Os dois viajam pela Europa, sensibilizando mais uma vez para as questões enfrentadas pelos povos indígenas. Raoni se encontra com vários políticos e figuras públicas notáveis, incluindo o Papa Francisco, o Presidente francês Macron, o Grão-Duque de Luxemburgo, o Príncipe de Mônaco e os prefeitos de Paris, Lyon, Bruxelas e Genebra.

 

Em novembro, Raoni conhece inúmeras celebridades que expressam seu apoio à sua causa, entre elas Leonardo di Caprio.

1973.png
1974.png
1976.png
1977_2.png
1978.png
1986.png
Grand Duc de Lux.jpeg
ZZZZ-Raoni-Tapi-Papa-768x512_edited.jpg
macron2_edited.jpg
Raoni + Mitterand_edited.jpg

Cacique Raoni e o Presidente francês François Mitterand

afv_gallery_02.jpg

Cacique Raoni em Place de la Concorde

afv_gallery_01.jpg

Cacique Raoni e Jean-Pierre Dutilleux em Tokyo

afv_gallery_04.jpg

Cacique Raoni e Jean-Pierre Dutilleux com Papa João Paulo II 

oldinstitute2.png

Primeiros esboços do Instituto Xingu

oldinstitute1.png

TERRITÓRIO KAYAPÓ

TERRITÓRIO INDÍGENA DO XINGU

Grão-Duque do Luxemburgo, Henri de Nasseau e o Cacique Raoni

Cacique Tapi Yawalapiti, Papa Francisco e Caicque Raoni

Presidente francês Emmanuel Macron e Cacique Raoni

JP Raoni et maire de Bruxelles.JPG

Cacique Raoni, Jean-Pierre Dutilleux e o presidente da câmara de Bruxelas, Philippe Close

Bruxelles + foule marche pr le climat_edited.jpg

Cacique Raoni, Cacique Tapi e Bemoro falando na marcha do clima em Bruxelas

Raoni Pairi Daiza.jpeg

Cacique Raoni alimenta girafas em Pairi Daiza (Bélgica)

WhatsApp Image 2021-06-24 at 10.31.22.jpeg

Tapi, Bemoro, Príncipe Alberto II do Monaco, Raoni and Kaiulu

maire de Lyon Gérard Collomb 2019.jpeg

Jean-Pierre Dutilleux, Cacique Raoni e presidente da câmara de Lyon, Gérard Collomb no Parque da Tête d'Or (França)

Maire Paris Hidalgo.jpeg
Jacques Rocher.jpeg

Bemoro, Cacique Raoni e Jacques Rocher

Cacique Raoni e presidente da câmara de Paris, Anne Hidalgo

Raoni médaille casques bleus.jpg

Capacetes azuis da ONU decorando o Cacique Raoni com medalha de paz em Lyon

WhatsApp Image 2021-06-24 at 10.37.30.jpeg

Tapi Yawalapiti, Leonardo Di Caprio, Cacique Raoni e Jean-Pierre Dutilleux em Los Angeles

Em 1989, a AFV planejou uma campanha internacional de conscientização sobre o desmatamento da Amazônia, a primeira do gênero no mundo : 17 países em 60 dias.

 

O porta-voz dos indígenas era um chefe da etnia Kayapó chamado Raoni. Raoni já era conhecido pelo grande público com o filme Raoni, dirigido por Jean-Pierre Dutilleux, selecionado no Festival de Cannes em 1977 e indicado ao Oscar em 1978.

 

Durante esta turnê mundial altamente divulgada, Raoni foi acompanhado pelo líder indígena norte-americano Red Crow. O grupo se reuniu com líderes do mundo, dando ao Cacique Raoni reconhecimento internacional. As fundações "Forêt Vierge", "Rainforest" ou "Floresta Virgem" foram criadas em doze países.

 

Graças a doações de todo o mundo,  a demarcação das terras ancestrais dos indígenas Kayapo pôde ser completada. Em Agosto de 1993, o Presidente brasileiro Itamar Franco assinou um decreto oficializando a criação de uma imensa reserva de de 103 240km². Com o Territorio Indigena do Xingu, criado por Claudio, Leonardo e Orlando Villas-Bôas em 1960, os dois territórios limítrofes cobrem uma área total de 130.000 km².

Após 20 anos de lutas, o sonho de Raoni e do seu amigo belga tornou-se finalmente realidade.

Hoje, o Território Kayapó e o Território Indígena do Xingu, lar de dezenas de povos indígenas, são considerados uma das maiores reservas de floresta tropical indígena do mundo.

 

Desde 1989, a AFV organizou seis turnês internacionais do Cacique Raoni : em 1989, 2000, 2001, 2010 e 2011. A última turnê em 2019 levou Raoni, Tapi Yawalapiti, seu herdeiro espiritual, Kaiulu Kamaiura, e Jean-Pierre Dutilleux novamente à Europa e aos Estados Unidos.

 

A AFV também realizou inúmeras missões de assistência médica na reserva, contribuiu para a construção de novas moradias destruídas por incêndios florestais, reforçou a proteção cultural e linguística e financiou inúmeras operações de socorro ad hoc.