Buscar

"Raoni, o Senhor da Amazônia" com Paris Match

A famosa revista francês Paris Match publicou um artigo sobre Raoni Metuktyre em 11 de dezembro de 2021, após uma entrevista com o presidente honorário da AFV, Jean-Pierre Dutilleux.










Para liderar sua luta, ele trocou sua lança pelo cajado de um peregrino. Em 1989, liderado pelo cantor Sting e pelo cineasta Jean-Pierre Dutilleux, o cacique indígena dos Kayapos do Xingu partiu para lembrar ao mundo moderno que a causa dos povos indígenas era também a do mundo. Paris Match o seguia, acompanhando este guerreiro que nunca desistia. No início deste ano, Raoni entrou com uma queixa no Tribunal Penal Internacional contra o presidente Jair Bolsonaro, acusando-o de crimes contra a humanidade.

Jean-Pierre Dutilleux: “Beptuk, um dos muitos netos de Raoni, me contatou em setembro passado: “Vovô pede para vê-lo, aqui em Metuktire... rápido!” Metuktire é esta aldeia Kayapó recém-construída no coração da Reserva do Xingu. Está localizada no território que o grande Cacique Raoni conseguiu reconquistar depois de ver parte do povo Kayapó ser dizimada pela terrível epidemia de varíola e sarampo dos anos 1960. Em 1989, durante sessenta dias, o emblemático cacique dos indígenas Kayapó viajou o mundo para alertar sobre a emergência. A sobrevivência de seu povo estava em jogo. Poucos dias depois de falar com Beptuk, me encontro em um táxi aéreo danificado, um avião bimotor zumbindo sobre a floresta esmeralda. O relógio cuco ziguezagueia entre os cúmulos formados pela névoa densa que emana das árvores imensas. Lá de cima destacam-se as cristas douradas ou vermelho-sangue dos ipés e jacarandás. Estou acompanhado por Robert Dardanne, Presidente da Associação Floresta Virgem (AFV), Alexandre Bouchet, diretor de cinema, e Marco Altberg, produtor brasileiro de nosso novo filme, "Raoni II", em edição no Rio de Janeiro. Em que estado físico, mental e intelectual vou encontrar meu velho amigo? Meu documentário "Raoni" o tornou famoso, primeiro no Brasil e depois, graças à indicação ao Oscar e à participação de Marlon Brando na versão em inglês, em todo o mundo. Vimos todos esses anos juntos até agora ... Raoni é um milagre da Covid, sofreu duas infecções sucessivas e foi internado várias vezes em Sinop, a 300 quilômetros de sua aldeia. A ansiedade me atormenta. Oscilo entre a esperança e o desespero. Por quarenta e cinco minutos sobrevoamos pelos majestosos meandros do Rio Xingu, um dos grandes afluentes do Amazonas. Este território é vítima do mais grave desmatamento de sua história. Nosso avião se inclina perigosamente. Nós deslizamos as copas das árvores. A pista de pouso parece uma cicatriz de sangue no coração da selva. Saio do avião e vejo Pekan, um velho cacique que conheço desde minha primeira visita aos Kayapos em 1973. Caminhamos atrás dele até a aldeia, um grande círculo de ocas, a 200 metros da pista. Pekan me leva a uma delas, a de Raoni. O chão é de terra coberta por uma plataforma de tábuas mal encaixadas. Sem móveis ou eletrodomésticos, rádio ou televisão, apenas o colchão quebrado que serve de cama, algumas roupas e artesanatos: colares, flechas, enfeites de penas, que Raoni ainda faz incansavelmente. Um grande arco e uma clava de madeira de ferro são colocados em um canto, a parafernália do chefe da guerra. É assim que vive o rei da floresta ... na maior miséria. Raoni, o Gandhi do mato, espera-me em sua velha poltrona de vime. Ele me abraça sem se levantar, como se estivesse ausente, e finalmente olha para mim. Eu não consigo segurar minhas lágrimas. Ele também não. O costume, entre os Kayapos, é chorar quando voltamos, nunca quando partimos. Olhamos um para o outro como dois velhos, depois de uma longa ausência. Seu lábio inferior, embora rachado, ainda segura o labret, a bandeja de madeira balsa de 13 centímetros de diâmetro, emblema do guerreiro Kayapó pronto para morrer por sua terra. Lentamente, Raoni pega seu cachimbo e o acende. Ele sopra a fumaça no meu rosto. Desliza em seu labret, voa em volutas brancas como uma névoa diáfana, antes de se espalhar ao meu redor. O xamã Raoni está trabalhando. Sua força está voltando. Agora ele está até alerta e me dirige em Kayapó, pelo bem dos indígenas que nos cercam, que não falam português. O jovem Beptuk e eu colocamos nossas máscaras para nos proteger da Covid, ele senta-se discretamente atrás da orelha esquerda de Raoni, a que mais ouve, e traduz do Kayapó para o português e vice-versa, após minhas perguntas. Desconfio que às vezes Raoni finge não me compreender. Isso lhe dá tempo para pesar suas respostas! Naquele dia, é realmente um homem sábio quem fala comigo. No crepúsculo de sua vida, ele também deseja se dirigir ao mundo inteiro." Entrevista de Raoni: "Sofri muito quando Bekwika, minha esposa ao longo da vida e mãe de meus seis filhos, morreu. Fiquei de luto por mais de um ano. Como é costume, fiquei em silêncio, não saí de minha oca, não participei de nenhuma cerimônia. Também fui atacado por muito tempo pela nova doença que veio do seu mundo. Fui para o céu onde encontrei Imprere, nosso Deus. Desde que me tornei um paje [xamã], tenho visto Deus muitas vezes. Eu até comi uma fruta com Deus! Eu disse aos dois papas que conheci [João Paulo II em 1989 e Francisco em 2019]. Eu disse a eles: "Este é o mesmo Deus que o seu com um nome diferente, ele tem muitos outros nomes ...” Esses dois sábios entenderam isso. Quando cheguei ao Imprere, vi coisas lá de cima. Queria ficar, porque meus ancestrais, meus amigos que estão no céu, me convidaram para ficar. Mas ele não quis que eu ficasse. Voltei, mas fiquei muito tempo entre os dois mundos. Sofri muito com doenças, estava muito fraco, sempre cansado. Agora estou forte de novo, estou melhor”. - O que você acha da situação atual? “Hoje é uma nova geração e a nossa intenção é que eles possam continuar a pescar, caçar, viver em paz nesta terra, nesta floresta. Quando preparamos a primeira campanha [com a Associação Floresta Virgem (AFV), em 1989], as demais tribos Kayapó do Pará, os Kubens também, e todos os que ouviram falar, ficaram felizes, satisfeitos. Nos deram força para dar a volta ao mundo em busca de formas de demarcar essas terras”. - Que lembranças você guarda das nossas sete campanhas conjuntas entre 1989 e 2019? "Qual era o nome do primeiro presidente que conheci?" - François Mitterrand. "Mitterrand! Ele está morto? Ele nos ajudou muito ao nos receber em sua tribo." - Ele está morto. Há muito tempo. "E o Chirac, ele morreu também? Eu o amei muito, o encontrei três vezes, era um amigo de verdade, o primeiro a nos ajudar a criar o Instituto Raoni. Ele era muito alto, mais alto que eu!" - O que você acha do Emmanuel Macron, que você conheceu em 2019? “Eu me lembro bem do Macron. Quando o conhecemos, ele tinha um bom relacionamento comigo, na verdade eu o chamei de meu pai e filho (risos). Ele nos ajudou muito e continua ajudando, porque ele está muito preocupado com o desaparecimento de nossas florestas. Ele sabe que a terra está em perigo. Tenho uma amizade muito boa com ele. Encontrei-me com todos os presidentes desde Mitterrand, a França sempre nos apoiou!" Link para os artigos oficiais : https://www.parismatch.com/Actu/Environnement/Raoni-le-seigneur-de-l-Amazonie-1775348 e https://www.parismatch.com/Actu/Environnement/Raoni-Mitterrand-nous-a-beaucoup-aides-Chirac-etait-un-vrai-ami-Macron-aussi-1775350#